WhatsApp
Facebook

O governador Carlos Massa Ratinho Junior inaugurou nesta quarta-feira (13) a nova edição da exposição MON sem Paredes – Artistas Conquistam os Jardins, agora voltada ao público infantil. O projeto leva esculturas para a área externa do Museu Oscar Niemeyer, conhecido como Parcão, com as quais o público, em especial as crianças, pode interagir. As obras são assinadas pelos artistas Artur Lescher, Rômmulo Conceição, Alexandre Vogler, Narcélio Grud e pela portuguesa Joana Vasconcelos. A curadoria é de Marc Pottier.

“A ideia dessa exposição interativa é dar a oportunidade da criançada ter esse contato com com os museus, em especial o MON, que é tão importante não só para o Paraná, mas para o Brasil. Nós temos aqui nesse parque de esculturas obras, por exemplo, da Joana Vasconcelos, que é uma das maiores artistas do mundo, uma artista portuguesa que só veio para o Museu Oscar Niemeyer aqui no Brasil”, destacou o governador.

O projeto faz parte do plano de ampliar o público do museu, que em 2023 registrou recorde de meio milhão de visitantes – montante que fica próximo da população de Londrina, segunda maior cidade do Paraná, com 550 mil habitantes. A proposta é de que os curitibanos e paranaenses em geral frequentem mais o Museu do Olho, como é conhecido, apropriando-se da estrutura a partir da ocupação do espaço com atividades culturais e de lazer.

A exposição também permite que os visitantes levem uma experiência além da visita do acervo interno do MON, que nos últimos cinco anos quintuplicou e conta hoje com 14 mil obras de arte.

“O objetivo é justamente despertar a criatividade, a curiosidade nas crianças. Geralmente quando se fala de obra de arte se fala que não pode encostar. E nesse caso elas podem não só encostar, mas brincar. Por isso a intenção é pegar essa parte lúdica para despertar uma vocação nas crianças. Quem não saia um artista”, disse Ratinho Júnior.

Paranaprevidência conquista nível III do programa de governança previdenciária Com R$ 60 milhões do Estado, São José dos Pinhais terá novo hospital com 300 leitos

A secretária de Estado da Cultura, Luciana Casagrande Pereira, disse que com a interatividade ajuda a ressignificar as obras de arte. “Elas tocam, se apropriam, e se sensibilizam”, disse. “Só de ver essas crianças interagindo com as obras de arte é sinal de que o projeto já deu certo. Está começando agora, mas já deu certo, porque a emoção que as crianças sentem de tocar a obra de arte já tira aquela imagem de que o museu é distante delas, de que as obras de arte são uma coisa distante”.

Para a diretora-presidente da instituição, Juliana Vosnika, o MON Sem Paredes faz com que a arte extrapole as paredes do museu e chegue diretamente na população, tornando a arte mais democrática. “Esse é o primeiro parque de esculturas interativas em um museu no Brasil. E a gente quer muito que todos visitem o MON, que todos venham e prestigiem o museu. Depois, quem sabe, essas pessoas não vão se inspirar para entrar no museu e continuar essa visita, com mais interação com a arte, com a cultura, que é tão importante na formação do cidadão”, afirmou.

O projeto foi inaugurado no início de 2023, com as obras “Semeador” e “Ao Redor de uma Árvore”, feitas pelo artista-arquiteto paranaense Gustavo Utrabo, que seguem expostas na área externa do Museu. Agora, chegou a vez de as crianças aproveitarem as esculturas interativas.

“Caleidoscópio e Giroscópio” – Artur Lescher

Obras em que o visitante experimenta girar sobre seu próprio eixo, movimentando o entorno em uma experiência meditativa e divertida. É um recipiente para o corpo, uma metacasa para observar o mundo. Girar sobre o próprio eixo evoca a dança e os rituais espirituais de acesso a outras dimensões e estados mentais.

“Sempre em Pé” – Narcélio Grud

As obras da série “Sempre em Pé” unem diversos conceitos, utilizando como base estética principal o brinquedo João Teimoso/Sempre em Pé. Tem por objetivo promover interações por meio dos movimentos e vivências sonoras, ressignificando o objeto e ampliando sua usabilidade em busca da criação de um ambiente onde a descoberta e o brincar andam juntos.

“Trepa-trepa” – Narcélio Grud

Essa escultura traz uma composição formal circular na qual o raio, o diâmetro e o centro se expandem de um globo para aros entrelaçados, formando rotas orbitais planetárias. Em seu conceito de interatividade, propõe ser uma escultura/mobiliário de escalada, similar aos equipamentos de lazer encontrados em áreas de recreação infantil de praças e parques públicos.

“Estruturas Dissipativas/Trepa-Trepa” – Rômmulo Conceição

Obra composta por dois trepa-trepas simetricamente dispostos a partir de um eixo perpendicular a uma plataforma que os separa, cujo acesso se dá pelos trepa-trepas ou por escadas. Uma chapa de vidro com altura de 3,5 metros corta a plataforma e configura um plano falso de simetria. Compõem também o trabalho três bancos giratórios, uma mesa e um muro no qual está acoplada uma grade de quatro metros de altura. Todo o trabalho é feito em ferro e concreto.

Serviço:

MON sem Paredes – Artistas Conquistam os Jardins

Museu Oscar Niemeyer – Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico – Curitiba/PR

WhatsApp
Facebook

Publicações relacionadas

Compartilhe
WhatsApp
Facebook