WhatsApp
Facebook
Aumento De 20% No Repasse Para Hospitais Que Prestam Atendimento De Urgência E Emergência Será Implementado Pelo Estado

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), implementará um aumento de 20% no valor pago pelas internações de urgência e emergência em cerca de 200 hospitais privados e filantrópicos contratualizados para atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esse incremento foi acordado entre a Sesa e o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems/PR) durante a 3ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Bipartite (CIB/PR), realizada nesta quarta-feira (28).

O valor adicional será incorporado ao pagamento das Autorizações de Internação Hospitalar (AIH), que são preenchidas pelas unidades quando um paciente é internado pelo SUS, nos próximos 18 meses a partir de julho, complementando o financiamento do governo federal. A Sesa estima que durante esse período, esse repasse totalizará mais de R$ 253,3 milhões provenientes do Tesouro do Estado. As unidades beneficiadas atendem a mais de 70% da demanda de urgência no Paraná.

“Sabemos da dificuldade financeira de muitos hospitais, e essas unidades são um braço importante para o SUS do nosso Estado. Com a anuência do governador Ratinho Junior, hoje é um dia histórico para a saúde do Paraná porque somos o primeiro estado que se habilita a melhorar a tabela do SUS, além do repasse do governo federal”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Retaguarda temporária

Durante a Comissão Intergestores Bipartite (CIB), também foi apresentada e aprovada uma proposta para o custeio temporário de leitos de enfermaria clínica de retaguarda de urgência na 2ª Regional de Saúde Metropolitana, que engloba 29 municípios. Essa iniciativa consiste em um financiamento complementar do Estado, no valor de R$ 200 por dia e por leito, para os hospitais que tenham interesse em ampliar ou converter leitos clínicos em leitos de retaguarda para atendimento de casos de urgência, até o final deste ano.

Os recursos serão destinados aos hospitais que desejam expandir seus serviços de atendimento às urgências, proporcionando maior acesso aos cuidados de saúde na região. Além disso, essa medida visa garantir a continuidade do cuidado aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) após o tratamento das condições mais agudas dos traumas. Estima-se um impacto financeiro mensal de até R$ 1,3 milhão com essa iniciativa.

“Vivemos um momento muito importante de alinhamento e construção desse processo que foi pensado em conjunto e faz parte do desenho de uma política de saúde cada vez melhor para todos os paranaenses”, afirmou o secretário municipal de Saúde de Mangueirinha e presidente do Cosems, Ivoliciano Leonarchik.

Durante a reunião, também foram abordados diversos temas, como as coberturas vacinais no Paraná, a Linha de Cuidado Materno Infantil e a proposta de uma nova etapa do Programa Opera Paraná.

Além disso, foram discutidas a atualização dos indicadores do Programa Estadual de Fortalecimento da Vigilância de Saúde (Provigia) e a Nota Técnica que estabelece o fluxo para fornecimento e uso de imunoglobulina anti Rh no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), com o objetivo de prevenir a doença hemolítica perinatal (DHP).

Presenças

Na reunião, estiveram presentes representando a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), o diretor-geral César Neves, o diretor de Gestão em Saúde Vinícius Filipak, a diretora de Contratos e Regulação Lilimar Mori e o chefe de gabinete Ian Lucena Sonda. Também participaram o presidente do Conselho Estadual de Saúde e diretor-presidente da Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná (Fehospar), Rangel da Silva, os secretários de Saúde de Curitiba, Beatriz Battistella, de Pinhais, Adriane da Silva Jorge Carvalho, e de Antonina, Odileno Garcia Toledo, além de outras autoridades e servidores da área de saúde do Estado.

Foto: SESA-PR.

WhatsApp
Facebook

Publicações relacionadas

Compartilhe
WhatsApp
Facebook